Versos de Amor, Poesias Românticas, Poemas Carinho
 Versos de Amor, Poesias Românticas, Poemas de Carinho, Cartão Poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
Textos

  borboletas_1912.gif

A BORBOLETA BRANCA

Numa manhã de primavera
nasceu uma brilhante borboleta,
com as asas longas e belas
parecia a flor violeta.

Meio trêmula e insegura
saiu meio tonta a voar,
não estava acostumada
com o jardim daquele lugar.

Ela era diferente
não parecia com suas irmãs.
As outras eram coloridas,
e ela branca como a luz da manhã.

As outras olhavam pra ela
e a achavam esquisita.
Era alva como a neve,
e não tinha nenhuma listra.

Falaram que ela não era dali
pois não tinha outra igual.
Tanto brilho e beleza
a todos causava estranheza.

Deixaram-na de lado,
tinham receio de se aproximar,
pois ela era diferente,
parecia ter nascido do ar.

Ela se sentia sozinha
e ficava muito triste.
Ninguém brincava com ela,
nem mesmo a borboleta amarela.

Numa noite enluarada
ela viu uma estrela prateada
e ao primeiro olhar se apaixonou,
pois, com ela se identificou.

A borboleta perdida de amor
e tomada por aquela emoção,
reuniu todas as forças
e foi voando para a constelação.

Voou feliz ... Voou sem parar,
e foi para junto da estrela brilhar.

Autora - Glória Cunha Matutina
11/10/2007




pcp_download_026-1.GIF
 
 
Raio de Lua
Enviado por Raio de Lua em 11/10/2007
Alterado em 27/07/2014
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

ESTE SITE É MELHOR
VIZUALIZADO NO
GOOGLE CHROME