Versos de Amor, Poesias Românticas, Poemas Carinho
 Versos de Amor, Poesias Românticas, Poemas de Carinho, Cartão Poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
Textos

 
Aecio-cumprimento.jpg
Músico mineiro de uma comunidade de BH
se recusa a estender a mão ao candidato tucano.

 


Os grandes "micos" dessa campanha eleitoral.
 
 Rodrigo Vianna

 
Passada a eleição, é  hora de selecionar os grandes “micos” dessa campanha eleitoral que mobilizou ódio e preconceito – por fim, derrotados na urna.


 Marina Silva

Ganhou, disparado, o grande troféu de mico eleitoral. Sorriu sobre o caixão de Eduardo Campos em agosto. Depois, terceirizou sua campanha ao Itaú, enquanto se apresentava como “terceira via”… No fim, desmontada pelos fatos, soltou os cabelos numa cerimônia constrangedora de adesão a Aécio Neves. Marina destruiu dois partidos (PSB e Rede), e avacalhou sua própria história.
Derreteu quando fugiu do debate com Dilma no primeiro turno. Raivosa, apoiou Aécio no segundo turno. Ao lado do tucano, perdeu a eleição e a pose.

Sensus e Istoé

Quando todas as pesquisas, na reta final, já davam Dilma em primeiro lugar, o instituto Sensus produziu estranhíssimos levantamentos que indicavam Aécio até 15 pontos na frente. É, nitidamente, caso para investigação policial. A revista “Istoé” arrastou-se na lama publicando as pesquisas aecistas.
Mas pior foi ver o Estatístico que dirige o instituto afirmar: “rasgo o meu diploma se a pesquisa estiver errada”. Aguarda-se agora que ele cumpra a promessa de campanha.

“Veja” e a classe média paulista

A revista da marginal lançou-se com fúria infantil na campanha. Às portas da falência, apostou tudo na eleição de Aécio Neves – produzindo uma capa que atendia aos interesses tucanos. A capa virou panfleto nas mãos da furiosa classe média paulista – que na tarde de sábado (25-10) distribuía o material em uma desesperada passeata na avenida Paulista.
“Veja” e a classe média conservadora acabaram por se afogar no próprio ódio.
A revista da marginal pagou o mico de publicar um direito de resposta do PT em seu sítio eletrônico – por ordem do TSE.
Já a classe média conservadora pagou o mico de terminar a eleição espalhando mensagens preconceituosas pelas redes sociais – contra o Nordeste. Detalhe: a derrota de Aécio não se deu no Nordeste. Mas no Rio e em Minas.


“O povo não é bobo…”

A Globo de Ali Kamel iniciou o segundo turno descarregando o escândalo da Petrobras sobre Dilma. A família Marinho imaginava que ali decidiria a eleição. Mas Dilma resistiu – bravamente. A capa da “Veja”, na véspera do segundo turno, mostrou uma Globo já mais vacilante.
Na sexta-feira (24-10), Ali Kamel fugiu do assunto – temendo que Dilma desmascarasse a Globo no debate  ao vivo que aconteceria naquela noite. E Dilma mandou mesmo recado no debate, quando abriu sua resposta sobre a revista com a frase: “o povo não é bobo…”.
No sábado antes da eleição, a Globo entrou no assunto – de forma covarde. Dilma já não teria como responder. Mas o JN não teve o mesmo ímpeto de outras eleições. Mostrou-se fraco.
Quando Dilma fazia o discurso da vitória no domingo, com transmissão ao vivo, a platéia interrompeu: “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”.
Dilma manteve um meio sorriso no rosto. O áudio vazou no ar, inclusive na Globo. Mais um mico para a coleção de Ali Kamel (diretor de Jornalismo da emissora) – que se dedica a processar blogueiros, enquanto vê a audiência da TV despencar.

 
“Vamos conversar? Não, obrigado…”

Aécio foi um candidato competitivo. Agressivo demais em alguns momentos. Mas mostrou coragem, ao defender o legado de FHC, e ao reconhecer a vitória de Dilma de maneira republicana e tranquila. Mas, do ponto de vista visual, o grande mico da eleição foi a foto que abre esse  texto.
Aécio iniciou a campanha com o mote “vamos conversar”. Os ricos e remediados toparam falar com ele. E votaram nele.
Mas Aécio jamais conseguiu chegar aos pobres. Na visita a uma comunidade em BH, um morador recolheu a mão quando o candidato estendeu a dele para o cumprimento.Mico registrado para a posteridade. Mico tão grande quanto perder a eleição em Minas – onde ele esperava uma vitória “consagradora”.
 

 
ACHO GRAÇA E FAÇO POUCO
 
O maior MICO é achar que pode intimidar e ameaçar quem vota diferente da sua vontade como temos visto tucanos tentando queimar a bandeira dos petistas (tudo filmado).  São atitudes patéticas, ridículas e não mudam o resultado das urnas. Eles também invadem as nossas páginas com sua truculência exigindo que seus deboches sejam publicados. Não publico! Esta página é pessoal. 
A mim não intimidam, não dou a mínima.  Aos perdedores as lágrimas.
 
131682405367.gif
Raio de Lua
Enviado por Raio de Lua em 28/10/2014
Alterado em 30/10/2014
Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

ESTE SITE É MELHOR
VIZUALIZADO NO
GOOGLE CHROME