Versos de Amor, Poesias Românticas, Poemas Carinho
 Versos de Amor, Poesias Românticas, Poemas de Carinho, Cartão Poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
Textos





                                        PAIXÃO SELVAGEM

          A tarde cai preguiçosa e morna diante de meus olhos. Escuto o barulho traiçoeiro da rede a balançar e sinto a brisa morna a me acariciar. Com um ar sonolento vou me envolvendo neste momento num doce devanear.

          Revirando os olhos, sinto saudade de seus beijos ardentes, e vou me entregando à fantasia de desejos indecentes. Sobe-me um calafrio pela espinha como um raio distante e meu corpo vai se aquecendo rapidamente enquanto o sol se põe no horizonte.

          Um calor latejante me invade, sinto a pele vermelha a se molhar, entre fantasias quentes de uma noite inesquecível e com a pele suada me ponho a sonhar.

          Revendo as lembranças de sua pele, vejo-o a acariciar-me e sinto meu corpo se contorcendo sem parar. Suas mãos rasgam minhas roupas impiedosamente enquanto eu rasgo as suas freneticamente.

          Sinto sua presença, seu cheiro e seu calor comprimindo meu corpo entorpecido de sensações lancinantes. Sinto seu hálito quente em meu ouvido, sussurrando palavras de um tórrido amante e seu corpo másculo cobre minha pele como lençol em chamas e o perfume do seu suor se espalha enquanto me ama.

          Vejo-o como um leão selvagem branindo de fome diante de sua presa assustada a se entregar, pois, não há resistência alguma perante tamanho desejo de amar.

          Sinto-o atacando-me imperiosamente sem dó, arranhando-me e mordendo-me até arrancar de mim o primeiro suspiro desesperado de prazer, saciando a fome dos desejos absurdos.

          Vem meu rei da selva, meu leão faminto. Aposse-se com fúria de sua presa frágil, beba meu sangue e arranque minha pele com seus dentes afiados. Quero ouvir seu rugido como um trovão na selva engolindo-me inteira como uma frágil gazela.

          E nessa fantasia me deixo devorar por sua ânsia selvagem, saio de dentro de mim e voo... Subo às nuvens e caio em seus braços como miragem.

          Abro os olhos, vejo-o sorrindo e me olhando como um cordeirinho que perdeu a pele do leão. Não foi um sonho você está aqui. Beija-me e depois dorme recostado em meu coração.


Raio de Lua
Enviado por Raio de Lua em 06/04/2007
Alterado em 04/06/2010
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

ESTE SITE É MELHOR
VIZUALIZADO NO
GOOGLE CHROME